sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

O CARA QUE MATA

(Regis Fontes)

No súbito impulso tu repulsas tua alma
Num momento avulso tu escondes à calma
Tua mão calejada lenta arremata
E mata e fere quem tanto te maltrata

Com pensamentos maldosos
O momento de ódio dilata
Como se fosse um nada tu mata
Como se nada mais existisse

O cara

Com o punhal empenhado golpeia
O mal que lhe percorre a veia
E sobe rasgando do bucho a orelha
E enfim o inimigo apaga feita centelha

O ódio com ele se acaba
Ele que outrora descontrolado babava
Agora aliviado festeja
A vitória suada e a derrota alheia.
Safe Creative #0902242630260

Seja o primeiro a comentar

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger.

TOPO